quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O tempero da farofa

Antecipando tendências mundiais no combate à fome, e comprometido com a saúde de seus clientes, o meu (ex) fornecedor de quentinhas resolveu incrementar o valor nutritivo de sua farofa.
Vejam que iguaria exótica foi utilizada como tempero no almoço de ontem.

7 comentários:

JOSÉ DE ALENCAR disse...

Meu caro Belenâmbulo,

Tão Belém...

Uma curiosidade: a iguaria é uma Supella Longipalpa importada?

Podias conseguir com seu ex-fornecedor o endereço da delicatessen onde ele comprou a iguaria?

Amanda Pinto disse...

Baratas com sabão!!! Esse líquido aí foi produto do teu estômago ou é outra parte do tempero? xD
Eu hein!
Ainda digo que esses insetos cosmopolitas vão dominar o mundo!
Para mais esclarecimentos visite: www.blattariadeflagration.blogspot.com

;D

Belenâmbulo disse...

Alencar,
Meus conhecimentos entomológicos não me permitem distinguir uma Supella de uma Periplaneta... :(
Se você estiver interessado em adquirir a iguaria, é só falar comigo. Aqui na Marambaia tem aos montes. E não são provenientes de criadouros comerciais, não, viu? É extrativismo em estado primitivo, em harmonia com o meio ambiente.
Ajude os povos da floresta!

Amanda,
A barata foi fotografada sobre a face interna da tampa da quentinha, que estava úmida em decorrência da condensação dos vapores emanados pela comida.
Quanto à "invasão dos insetos cosmopolitas", gostei do seu estilo, e já espero ansioso pelos próximos capítulos.

Abraços

Yúdice Andrade disse...

É inevitável pensar no que andaste comendo todo esse tempo, meu amigo. Enfim, externo a minha solidariedade. Mas preciso perguntar: o que foi que fizeste? Falaste com o cara?

Belenâmbulo disse...

Yúdice,
Eu estava fazendo um esforço enorme para não pensar nisso... Muito obrigado pela solidariedade e por me esfregar a realidade na cara!!!
O que fiz? Bom... na hora em que encontrei o bichinho, já havia consumido mais da metade do conteúdo da quentinha, no entanto, o saquinho da farofa - que vem separada - fora aberto havia pouco tempo, de modo que acredito ter me salvado da maior parte do conteúdo... digamos... "exótico". Isolei a área de risco, e terminei de comer o que ainda podia ser aproveitado.
Liguei para o cara e expliquei o ocorrido. Ele - na verdade ela - alegou que paga uma empresa para fazer o controle e o monitoramento de pragas do ambiente, a qual seria advertida. Mandou um funcionário verificar a procedência de minha reclamação, devolveu meu dinheiro, agradeceu-me pela manifestação e pediu desculpas, garantindo que o problema não mais se repetiria.
Como medida preventiva, e também como forma de represália, estou almoçando em outros lugares.

Abraço

Amanda Pinto disse...

A iguaria estava fresquinha ainda (com licença da má palavra :D), muito apetitosa!
Valeu pela visita lá no blog! Ainda está em fase inicial, mas sempre que atualizar te aviso.

Belenâmbulo disse...

Ok, então, Amanda, fico aguardando.

Quanto às baratas apetitosas, quem sabe não é essa a forma de controlarmos a população dessas pragas?