terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Se não é proibido... permitido está!

Para fugir do retorno caótico no Entroncamento, motoristas encontraram o seu atalho no semáforo em frente ao Cidade Folia.


Procurei, mas não encontrei uma placa de "retorno proibido". A única placa no local é destinada aos ciclistas. Muito didática, por sinal.

Essa questão a respeito de proibições já foi abordada em outra postagem.

6 comentários:

Frederico Guerreiro disse...

Taí no que deu aquela picuinha do Edmilson contra o Almir Gabriel. O tucano já havia até desapropriado uma loja de material de construção ao lado de onde seria a Praça da Bíblia, para construir o que seria correto, um sistema de elevados, uma vez que o tráfego intenso (convergência de tráfegos) não condiz com rotatória de superfície. Hoje já não há a Praça da Bíblia do Edmilson nem o trânsito melhorou. Pelo contrário. O engenheiro e professor Nagib Charone já havia cantado essa pedra. "É paliativo. Não resolve o problema. Enquanto não fizerem a passarela e tirarem aquele sinal em frente ao shopping, vai continuar do jeito que sempre foi". Comparou até os carros como sendo um líquido que escoa por um tubo (fluidez). Além do mais, a cidade é de uma burrice atroz: todas as linhas, incluindo a de municípios conurbados, descem para o centro de Belém. Também não existe parada seletiva. A CTBEL é a pior de todo Brasil. Só serve para "arrecadar".
A administração levou mais de seis anos para terminar uma obra, que hoje tem suas passarelas sem utilidade nenhuma. O pedestre é sempre o prejudicado.
Eu já começo a chamar aquilo de Complexo Viário do Estrangulamento.
Haja paciência!
Abraço

Belenambulo disse...

Burrice mesmo! Todas as linhas têm um grande trecho em comum (Alm. Barroso + Augusto Montenegro ou BR) e só vão se distribuir próximo aos destinos finais. Que acontece? Um monte de ônibus rodando vazios durante os miolos da manhã e da tarde... Um monte (que acaba sendo insuficiente) de ônibus lotados quando a gente mais precisa... E o combustível sendo queimado! Assim não há trânsito que aguente. Assim fica difícil reduzir o preço das passagens.
"Estrangulamento"... gostei! Eu estava chamando de "Entronxamento"...

Abraço!

Mauricio A. disse...

Aê manô, tem q butar kenti com os caras, eu si fosse tu (mas komo naum sou........) ia na hora e obrigava o gualda de prantão ixplikar como é que é prá usar, ou naum, esse tal de ritorno.....
---- agora sério----

Os políticos e associados lucraram muuuito, a população fica com serviços mal planejados e acabados e os cidadãos (nós que efetivamente custeamos estas obras) continuamos refén dos políticos e do povo-débil-mental que mantém esta situação..
Alá, venha aká....

Belenâmbulo disse...

"Gualda de prantão"?!?!
Rapaz, o que eu mais queria era que tivesse uma dessas "otoridade" na hora, para aparecer na foto!

Yúdice Andrade disse...

Meu caro, que eu saiba, aquele retorno é legítimo. Mal feito, como normalmente são as coisas por aqui, porém legítimo. Tanto é que faço este retorno sempre que passo pelo trecho, sem peso na consciência, e uma vez o fiz com um gualdinha da CTBel presente. Ele nem me deu bola.
Na primeira vez, tive a maior dúvida, já que não há sinalização, mas observei que a ciclovia foi reduzida para criar uma área de escape. Ora, por que alguém faria essa mudança se não fosse, justamente, para criar o retorno?
Além do mais, o retorno está numa posição segura, que permite a manobra quando fecha o sinal, além de que as faixas de pedestres foram preservadas. Ruim, só para os ciclistas, que ficaram com apenas uma faixa e têm que cruzar com os motoristas.
Por fim, do ponto de vista legal, é verdade que, se não há proibição expressa, então é permitido. Afinal, a regra é a liberdade (fazer tudo que a lei não proíba).
Abraços.

Belenâmbulo disse...

É, Yúdice, eu tenho visto o pessoal fazer o retorno bem debaixo das fuças dos guardas, sem nenhum problema, o que me faz concluir que é permitido mesmo. Mas que é mal feito, isso é! Poxa, na hora do rush, fica aquela fila de carros parados à esquerda, aguardando o sinal fechar para fazerem o retorno, a tradicional fila de ônibus parados à direita (essa nunca anda mesmo), e só duas faixas mais ou menos livres para o trânsito! Em breve enfrentarei mais esse meu medo, e farei o retorno (já encarei o espantalho do exército e não morri...).

Abraço