sexta-feira, 10 de julho de 2009

A cidade perdida II

Automóveis? Para quê automóveis? Caminhar era a ordem do transporte àquela época. O ar puro era a vitamina dos pulmões. Tudo devia ser tão pertinho que qualquer coisa sobre rodas era desnecessário.
Sob a sombra das mangueiras e ao som da brisa na folhagem, que prazer...


Hoje a avenida é de um colorido sem graça, quase não se ouve o som da brisa nas folhagens, o alarido do trânsito domina o espaço em todos os sentidos e sensações. Sabem de que rua é a foto?

Créditos fotográficos: Todas as fotografias antigas que publiquei e outras que porventura venha a publicar fazem parte do acervo do Sr. Jamba.


Publicada originalmente no Intimorato, em 18/11/2007

2 comentários:

Amanda Pinto disse...

Caramba! Até achei que fosse Nazaré, jamais pensaria que fosse a Braz, a rua da elite... O farfalhar das folhas foi "sutilmente" substituído pelo caos do trânsito... Queria ter vivido no preto e branco.
;*

Belenâmbulo disse...

Amanda,
Eu também gostaria de ter vivido naquela época... Fazer o quê? Aproveitemos o colorido atual, e mesmo a beleza do caos do trânsito (se é que existe alguma), pois no futuro vai haver alguém desejando ver o que vemos hoje.

Abraço