sexta-feira, 2 de abril de 2010

Nosso teste de paciência diário

Manoel Barata, próximo à Doca

10 comentários:

Tanto disse...

Teu caro tem dois andares, ou estavas no teto?

Pacheco disse...

Ele deve ter comprado aqueles ônibus velhos de Londres... eles estavam trocando a frota mesmo...
:P

Yúdice Andrade disse...

Do jeito que a coisa anda - ou não anda -, daqui a pouco tempo nós, belenenses, seremos o povo mais espiritualizado da Terra, de tão treinados em paciência que estaremos.

PS - Isso é um carro com teto solar. Vocês pensam que o Wagner não tá podendo, é?

Belenâmbulo disse...

Eita, quanta especulação!!!
Já cogitaram a possibilidade de eu ser um cara alto? KKKKKKKKK

Frederico Guerreiro disse...

Esse trânsito de Belém é de matar mesmo.
A propósito, na sociedade de consumo o automóvel particular é o maior exemplo de egoísmo, de perda de senso de sociedade. E com governos como esses que estão aí, não tem como ser de outra forma, embora petistas, petebistas, tucanos e demônios (DEM) tenham sempre uma solução prática na cabeça deles... belas criaturas... sem ao menos se perguntarem: Belém, Belém, Belém... será que tá tudo bem...?

Belenâmbulo disse...

Ê, Tatiana,
Você andava sumida daqui, hein? Bem-vinda de volta!
O trânsito daqui... pois é... acho que já estou me acostumando. O que me dá mais raiva é pensar que não deveria ser assim. Posso estar enganado, mas não acho que Belém tenha tantos carros para causar esses congestionamentos tão frequentes. O problema maior parece ser a burrice no planejamento do tráfego, aliada à falta de educação de grande parte dos motoristas.

Abraço

Belenâmbulo disse...

Eita, Fred!
O senhor também andava meio ausente.
Saindo da Marambaia, dei minha contribuição ao trânsito. Agora vou a pé para o trabalho.



Abraço

Anônimo disse...

O problema é que essa falta de educação é super contagiosa. Por mais que as pessoas de bom senso tentem não se envolver na muvuca, adotando boas práticas de condução e tentando ser cordiais, terminam sendo absorvidas por esse monstro que é a ignorância.

Frederico Guerreiro disse...

Taí. O anônimo disse bem.

Belenâmbulo disse...

Prezado Anônimo,
É verdade.
Acontece frequentemente comigo, que me considero uma pessoa de bom senso.

Acontece com você também, Fred?

Abraço